Quando tudo parece perdido, o Herói vem cavalgando pela colina e salva o dia. Existem diversas variações desse mesmo enredo, mas a essência é a mesma: o triunfo sobre o Mal, sobre as adversidades ou sobre grandes desafios. Ele serve de grande inspiração para todos nós.

A jornada do Herói é uma das mais tradicionais estruturas de story telling que conhecemos. Pense em Harry Potter, James Bond, Ethan e sua equipe no Missão Impossível, o Resgate do Soldado Ryan, Guerra nas Estrelas. Todos os super-heróis – Batman, Super-Homem, X-Men, Mulher Maravilha  – também se encaixam aqui. E seus adversários, os vilões, encarnam o arquétipo do Fora-da-Lei. 

Não se precipite, no entanto, em julgar mal o Arquétipo do Fora-da-Lei como inadequado para ser usado por marcas. Grandes marcas de sucesso – como Apple – se apropriaram com maestria desse arquétipo, que vamos examinar com mais detalhes a seguir.

“Os 12 Estágios da Jornada do Herói –  “The Writer’s Journey” (Christopher Vogler)

  1. Mundo Comum – O mundo normal do herói antes da história começar.
  2. O Chamado da Aventura – Um problema se apresenta ao herói: um desafio ou a aventura.
  3. Reticência do Herói ou Recusa do Chamado – O herói recusa ou demora a aceitar o desafio ou aventura, geralmente porque tem medo.
  4. Encontro com o mentor ou Ajuda Sobrenatural – O herói encontra um mentor que o faz aceitar o chamado e o informa e treina para sua aventura.
  5. Cruzamento do Primeiro Portal – O herói abandona o mundo comum para entrar no mundo especial ou mágico.
  6. Provações, aliados e inimigos ou A Barriga da Baleia – O herói enfrenta testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, de forma que aprende as regras do mundo especial.
  7. Aproximação – O herói tem êxitos durante as provações
  8. Provação difícil ou traumática – A maior crise da aventura, de vida ou morte.
  9. Recompensa – O herói enfrentou a morte, se sobrepõe ao seu medo e agora ganha uma recompensa (o elixir).
  10. O Caminho de Volta – O herói deve voltar para o mundo comum.
  11. Ressurreição do Herói – Outro teste no qual o herói enfrenta a morte, e deve usar tudo que foi aprendido.
  12. Regresso com o Elixir – O herói volta para casa com o “elixir“, e o usa para ajudar todos no mundo comum.”

Desejo básico: provar o próprio valor por meio da ação corajosa e difícil.
Meta: exercer a maestria de modo a melhorar o mundo.
Medo: fraqueza, vulnerabilidade, “amarelar”.
Estratégia: tornar-se tão forte, competente e poderoso quanto lhe for possível.
Armadilha: arrogância, desenvolver a necessidade de que exista sempre um inimigo.
Dons: competência e coragem.

O Herói também é conhecido como o guerreiro, o cruzado, o libertador, o super-herói, o soldado, o atleta vencedor, o matador de dragões, o competidor e o jogador de equipe.

 Lema: “Onde há vontade, há um caminho”.

As marcas do Arquétipo do Herói

As Olimpíadas, a Nike, a maioria dos vídeo-games, os Marines americanos são bons exemplos de marcas que usam o Arquétipo do Herói.

Existe uma certa Antifragilidade presente nas marcas do Herói, uma vez que o Herói se fortalece com o desafio, se sente ultrajado pela injustiça e responde decisivamente às crises.

Heróis são capazes de fazer escolhas árduas. Encaram as crises de frente. E sentem orgulho disso.

São protetores das pessoas ou causas que vêem como frágeis ou incapazes (o antifráfil que proteje o que é frágil).

A Nike é um excelente exemplo de marca do Arquétipo do Herói. A empresa nasceu com a meta de criar um tênis que melhorasse o desempenho das pessoas na corrida e que tivesse preços acessíveis. 

Sua missão é compreender e inspirar a alma do atleta. Seu slogan, “Just do it”, é um chamado à coragem e ao heroísmo, promovendo a virtude e a ação. 

O próprio nome – Nike –  é arquetípico. Nike é a deusa grega alada da vitória.

As primeiras campanhas da marca usavam outro herói americano como garoto-propaganda: Michael Jordan.

Veja a jornada do Herói nas palavras do próprio Jordan nesse excepcional anúncio da Nike:

Quase todas as organizações do Herói são boas em motivar as pessoas, como um treinador incentivando seu time para a vitória.

A Fedex também se apropria do Arquétipo do Herói de forma magistral. Uma famosa campanha publicitária da marca tinha como tagline a frase: “FedEx – quando absolutamente, decididamente tem de estar lá amanhã”. A mensagem era: para acompanhar os concorrentes de hoje, você precisa de FedEx.  

A identidade heroica da FedEx também é reforçada pela sua cultura organizacional (muito bem retratada no filme “O Náufrago”). Espera-se que os colaboradores da FedEx tenham compromisso heroico com os resultados e com a qualidade.

Nos dias de hoje, vemos o triunfo do Arquétipo do Herói na valorização de marcas ligadas a causas, valores e princípios.

Quando fazem marketing para o Herói, as marcas estão sendo avaliadas são só pela qualidade de seus produtos e serviços mas pela ética, autenticidade e clareza de seus valores e convicções.

Os níveis do Herói

Motivação: o valentão joga areia no seu rosto ou alguém tenta intimidar você ou ser abusivo. Um desafio o chama. Uma pessoa precisa que você a ajude a se defender.

Nível 1: o desenvolvimento de fronteiras, competência e maestria, que se expressam por meio da realização e são motivadas ou testadas por meio da competição.

Nível 2: tal como um soldado, cumprir seu dever para com o seu país, organização, comunidade ou família.

Nível 3: usar sua força, competência e coragem em algo que faz diferença para você e para o mundo.

Sombra: desumanidade e necessidade obsessiva de vencer.

A identidade do Herói pode ser correta para sua marca se:

– Você tem uma invenção ou inovação que causará grande impacto no mundo.

– Seu produto ajuda as pessoas a terem um desempenho no limite superior.

– Você está tratando de um importante problema social e pedindo a colaboração das pessoas para ajudar a resolvê-lo.

– Você tem um oponente ou concorrente definido e quer derrotá-lo.

– Você é o João-ninguém e quer rivalizar com a concorrência.

– A força de seu produto ou serviço está na capacidade de fazer bem e eficientemente uma tarefa difícil.

– Você precisa diferenciar seu produto de algum outro que tem problemas na cadeia de finalização.

– Sua base de consumidores se identifica com o bom e o moral.

Clique aqui para ler o artigo sobre o Arquétipo do Inocente.

Ou clique aqui para ler o artigo sobre o Arquétipo do Explorador.

Clique aqui para ler o artigo de introdução aos arquétipos de marca.

Serão publicados artigos para cada um dos arquétipos. Preencha os campos abaixo para ser avisado quando o próximo artigo for lançado.

Deixe seu comentário abaixo com as suas dúvidas, experiências e opiniões sobre esse assunto.